Biografia

cortinasNascido em 1986, Alberto Schramm Portugal, ou melhor, Beto, desde muito cedo se interessou pelas artes. Ainda criança desenvolveu projetos cênicos em escolas, chegando a participar de festivais estudantis e grupos de teatro nas cidades em que morou. Aos doze anos de idade, com amigos fundou o grupo Parapapá, que utilizava da palhaçaria para ações sociais. Na juventude, no Colégio Marista coordenou o projeto Viver, tendo viajado o Paraná com seu espetáculo Tempestade Bonança. Aos quinze anos uma forte depressão o afastou dos palcos, e lhe fez descobrir a paixão pelas artes visuais. Mais tarde ingressou nas faculdades de Direito e de Jornalismo, que sem êxito, decidiu abandonar os cursos e ingressar na faculdade de Artes. Conheceu o Bailarino e Coreografo Guilherme Tupich, com quem abriu o primeiro Centro Cultural Oficina Nova Expressão, com a proposta de desenvolver o “instinto arte” nas pessoas. Formou-se bacharel em artes, e em Curitiba fundou a Casa das Artes e a Cia. Cidade Proibida de Teatro Musical. Ele e Guilherme participaram de inúmeros eventos do segmento com releituras de Chicago, Cabaret e outros musicais. Surgia em 2008 o primeiro texto autoral de Alberto Portugal: Topete Curitibano, com a participação de Élio Stein, Rebeca Barnes e Guilherme Tupich, no extinto Teatro da Sociedade Portuguesa. Sempre com casa lotada e longas temporadas, o espetáculo abriu caminho para a decisão de viver de arte. WhatsApp Image 2017-09-16 at 23.48.12Em 2009, Portugal ingressou no curso de Arquitetura e Urbanismo com a proposta de atuar nas áreas cênicas de cenografia, iluminação e composição. Seu estilo vanguardista e a busca por qualidade de vida o levaram a viver em Tibagi, no interior do Paraná, onde fundou a Casa das Artes, com uma grande movimentação cultural em toda região. Homenageando o amigo, diretor e ator Americo Nunes, inaugurou um teatro com seu nome. Mais de 60 espetáculos já foram escritos e dirigidos por Alberto Portugal, com a participação de mais de 400 atores. Sua intensa participação em festivais e exposições o tornam referência em gestão cultural e dramaturgia. No ano de 2018 foi eleito melhor ator do Festival Cênico. Atualmente coordena a Casa das Artes na cidade de Ponta Grossa.